Renault Kwid e Sandero: quem vence a briga de irmãos?

Variação de tempo de válvulas deixa o Sandero com mais potência e torque e garante melhores retomadas, mas o Kwid pesa bem menos e acelera mais rápido

 

Motor e desempenho
O motor de três cilindros, 1,0 litro e 12 válvulas é basicamente o mesmo nos dois, mas só no Sandero usa variação de tempo de abertura das válvulas, que lhe rende maiores potência e torque (veja na ficha técnica) e compensa em parte o peso maior em 213 kg. Nota-se seu bom rendimento em altas rotações, nas quais o do Kwid parece perder fôlego.

 

 

Nos testes, o leve Kwid saiu à frente em duas das três provas de aceleração, mas por pouca diferença. Melhor em retomadas por boa margem, o Sandero também mostra melhor isolamento das oscilações típicas dos três-cilindros, mais notadas abaixo de 1.500 rpm e acima de 4.000 — no Kwid aparecem até em marcha-lenta. Ambos são um tanto ruidosos em velocidade de rodovia. As transmissões manuais têm comando preciso, embora um pouco pesado no Sandero. No Kwid o pedal de embreagem é levíssimo, mas o ronco de engrenagens em marcha à ré deixa sensação de má qualidade.

 

Acerto de suspensão não deixa dúvidas: o Sandero comporta-se melhor, até mesmo em retas, e oferece muito mais conforto em lombadas e irregularidades

 

Consumo
Menor e mais leve, o Kwid vence facilmente em consumo urbano, como ao fazer 2,2 km/l a mais no trajeto leve. Contudo, esta unidade foi mais “beberrona” em rodovia, onde perdeu para o Sandero (ambos foram testados com álcool, que não é nosso padrão, pois a Renault não pôde emprestá-los com gasolina nem houve tempo hábil de mudarmos). Entre os carros pequenos testados, as marcas urbanas do Kwid são ótimas, e as demais, medianas.

 

Nos testes, o leve Kwid saiu à frente em duas das três provas de aceleração (embora perca em retomadas) e venceu facilmente em consumo urbano

 

Comportamento dinâmico
Ponto indiscutível a favor do Sandero. Sua estabilidade é claramente melhor, tanto em curvas quanto em alta velocidade em retas: o Kwid parece desviar-se facilmente da trajetória por uma questão de geometria. Nenhum oferece controle eletrônico de estabilidade e tração. O carro maior também vence por larga margem em conforto, com ajuste muito bom de molas e amortecedores e ótima passagem por lombadas — só poderia absorver melhor os pequenos impactos.

 

Faróis de neblina apenas no modelo menor; leds diurnos e nas lanternas, só no maior; ambos trazem bolsas infláveis laterais dianteiras e fixação Isofix

 

O “caçula” é um tanto áspero, transmitindo excesso de vibrações do piso à cabine; tem amortecedores dianteiros muito macios, que fazem a suspensão chegar aos batentes facilmente em lombadas, e traseiros duros na distensão, que penalizam o conforto. O Sandero também revela melhor calibração da assistência dos freios: a resposta do Kwid com média pressão no pedal, que era fraca nos anos anteriores, se tornou algo excessiva no modelo 2020. A favor do pequeno, só a leveza em baixa velocidade da direção, que usa assistência elétrica em vez da eletro-hidráulica mais pesada do “irmão” maior.

 

 

Segurança passiva
O Sandero ganhou em proteção dos ocupantes na linha 2020: além de reforços estruturais, vem de série com bolsas infláveis laterais dianteiras, fixação Isofix para cadeira infantil (itens que o Kwid já tinha), encostos de cabeça e cintos de três pontos para cinco pessoas (no Kwid o cinto central é subabdominal).

 

Pagar 11% a mais pelo Sandero é bom negócio, pois ele supera o “caçula” em muito mais que espaço; o Kwid só vale o preço nas versões mais simples

 

Custo-benefício
Pela versão Zen do Sandero pagam-se R$ 50 mil ou 11% a mais que pela Outsider do Kwid (R$ 45 mil), ambas sem oferecer opcionais. Os dois estão disponíveis também em acabamentos mais simples, a partir de R$ 47 mil no Sandero Life e de R$ 34 mil no Kwid Life (este tem ainda opções Zen e Intense por valores intermediários).

Quem optar pelo Sandero terá ganhos importantes em espaço interno, posição do motorista, estabilidade e conforto de rodagem, com alguma perda em agilidade e consumo em cidade. Portanto, a menos que o fator financeiro seja determinante — como é frequente na compra por frotistas —, a vantagem do “irmão” maior fica clara no conjunto, mesmo para quem não precisa de grande espaço no banco traseiro. O Sandero é 11% mais caro, mas é 17% melhor na média de notas e um carro bem mais satisfatório de dirigir. A nosso ver, comprar o Kwid faz sentido apenas nas versões mais simples, que se afastam da faixa de preço do modelo maior.

Mais Avaliações

 

Nossas notas

Kwid Sandero
Estilo 3 3
Acabamento e conveniência 3 3
Posto do motorista 2 3
Espaço interno 2 4
Porta-malas 3 4
Motor e desempenho 3 3
Consumo 4 3
Comportamento dinâmico 2 3
Segurança passiva 4 4
Custo-benefício 3 4
Média 2,9 3,4
Posição 2°. 1°.
As notas vão de 1 a 5, sendo 5 a melhor; conheça nossa metodologia

 

Desempenho e consumo

Kwid Sandero
Aceleração
0 a 100 km/h 14,2 s 14,6 s
0 a 120 km/h 22,3 s 23,1 s
0 a 400 m 19,8 s 19,5 s
Retomada
60 a 100 km/h (3ª.) 11,1 s 8,5 s
60 a 100 km/h (4ª.) 15,3 s 12,4 s
60 a 120 km/h (4ª.) 24,2 s 21,1 s
80 a 120 km/h (4ª.) 17,3 s 13,4 s
Consumo
Trajeto leve em cidade 13,7 km/l 11,5 km/l
Trajeto exigente em cidade 7,6 km/l 6,2 km/l
Trajeto em rodovia 10,0 km/l 10,4 km/l
Testes com álcool; melhores resultados em negrito; conheça nossos métodos de medição

 

Ficha técnica

  Kwid Sandero
Motor
Posição transversal transversal
Cilindros 3 em linha 3 em linha
Comando de válvulas duplo no cabeçote duplo no cabeçote
Válvulas por cilindro 4 4, variação de tempo
Diâmetro e curso 71 x 84,1 mm 71 x 84,1 mm
Cilindrada 999 cm³ 999 cm³
Taxa de compressão 11,5:1 12:1
Alimentação injeção multiponto sequencial injeção multiponto sequencial
Potência máxima (gas./álc.) 66/70 cv a 5.500 rpm 79/82 cv a 6.300 rpm
Torque máximo (gas./álc.) 9,4/9,8 m.kgf a 4.250 rpm 10,2/10,5 m.kgf a 3.500 rpm
Transmissão
Tipo de caixa e marchas manual, 5 manual, 5
Tração dianteira dianteira
Freios
Dianteiros a disco ventilado a disco ventilado
Traseiros a tambor a tambor
Antitravamento (ABS) sim sim
Direção
Sistema pinhão e cremalheira pinhão e cremalheira
Assistência elétrica eletro-hidráulica
Suspensão
Dianteira independente, McPherson, mola helicoidal
Traseira eixo de torção, mola helicoidal
Rodas
Dimensões 14 pol 15 pol
Pneus 165/70 R 14 185/65 R 15
Dimensões
Comprimento 3,68 m 4,06 m
Largura 1,579 m 1,733 m
Altura 1,474 m 1,536 m
Entre-eixos 2,423 m 2,59 m
Capacidades e peso
Tanque de combustível 38 l 50 l
Compartimento de bagagem 290 l 320 l
Peso em ordem de marcha 798 kg 1.011 kg
Desempenho e consumo (gas./álc.)
Velocidade máxima 152/156 km/h 160/163 km/h
Aceleração de 0 a 100 km/h 15,5/14,7 s 13,1/13,0 s
Consumo em cidade 14,9/10,3 km/l 14,2/9,5 km/l
Consumo em rodovia 15,6/10,8 km/l 14,1/9,6 km/l
Dados do fabricante; consumo conforme padrões do Inmetro