Estilo: um é pouco, dois é bom, três (volumes) é ideal

Cobalt, Cronos, City, Yaris e Virtus mostram as diversas soluções para o desenho de um sedã compacto

Texto: Danillo Almeida – Fotos: divulgação

 

O mercado brasileiro viu a formação de um segmento superior entre os compactos no começo dos anos 2000. Na época a Volkswagen trouxe o Polo de quarta geração, visando substituir o Gol e elevar o padrão da linha brasileira. O problema foi que tudo isso teria um preço: como a construção mais refinada tornava o novato caro para quem costumava comprar o Gol, a mudança não aconteceu. O que se viu, na verdade, foi o Polo acomodar-se logo acima no que viraria um nicho de mercado, fortalecido pelo segundo Chevrolet Corsa e, mais tarde, por Citroën C3 e Fiat Punto. Esses hatches firmaram-se acima dos outros compactos e abaixo dos médios, como Chevrolet Astra e Ford Focus.

Os carros pequenos que formaram uma espécie de segmento premium, no Brasil, são populares nos países de origem. Mesmo assim, caíram como uma luva nas mãos de quem buscava algo mais elaborado sem chegar a comprar um médio. Ao longo dos últimos anos, esse segmento se estendeu à carroceria sedã e alcançou vendas estáveis. Hoje ele se encontra aquecido por causa dos modelos de Fiat, Honda, Toyota e Volkswagen — esta, mais uma vez, com o Polo.

 

 

Escolhemos os quatro sedãs desses fabricantes — Fiat Cronos, Honda City, Toyota Yaris e Volkswagen Virtus —, mais o Chevrolet Cobalt, para nossa primeira análise de estilo comparativa. Entre eles há modelos desenvolvidos sozinhos e outros criados a partir de hatches, de modo que é grande a diversidade de soluções de estilo. O Ford Fiesta Sedan, que seria outra presença relevante anos atrás, é mencionado à parte.

Nesta análise conjunta, não é intenção do Best Cars apontar vencedores — ou perdedores. Beleza é sempre um assunto subjetivo; portanto, um mesmo carro pode parecer lindo para uns e feio para outros. A escolha de soluções de estilo, contudo, pode ser avaliada de maneira objetiva porque lida com conceitos como a harmonia de linhas e volumes, o equilíbrio de elementos visuais ao longo da carroceria e da cabine e a eficácia das soluções que corroboram as características que o fabricante desejava oferecer.

 

Cobalt
Cobalt
Cronos
Cronos
City
City

Estilo dianteiro é marcado por contrastes: City é o mais diferenciado do hatch (Fit), Cobalt se inspira nos grandes sedãs dos EUA, Virtus é austero e sóbrio, Yaris é fluido a ponto de ser incomum e Cronos mostra equilíbrio na aplicação de tendências

Yaris
Yaris
Virtus
Virtus

 

Estilo-1O City deriva de um hatch com formato quase de monovolume, o Fit. Isso se expressa em sua dianteira curta e com grande inclinação do capô. Já o Cobalt foi projetado sozinho e precisava manter distância do Prisma, derivado do Onix: explica-se a frente mais horizontal, que faz a carroceria parecer mais comprida. Quanto a Cronos, Virtus e Yaris, o “parentesco” com hatches levemente esportivos levou os fabricantes a usar capôs mais longos e um pouco mais horizontais. Essa solução atrai o olhar para o compartimento do motor, o qual evoca a ideia de desempenho.

Estilo-2Todos os faróis seguem as tendências atuais. A maior diferença é como suas formas se estendem rumo às laterais da carroceria. Os do Yaris são afilados e elevados. O desenho do Cronos traz proporção mais convencional entre o tamanho das luzes e das entradas de ar. Esses desenhos, que sugerem influência da passagem do ar, são muito usados para sugerir esportividade. Nos demais, observa-se o contrário: faróis menores e contornos mais suaves passam imagem de solidez e austeridade. Isso é interessante para o Cobalt, porque o opõe a Prisma e Cruze, e para o Virtus, porque segue a “cartilha” alemã. No City o formato da dianteira torna os faróis baixos e curtos.

 

 

Estilo-3Como Fiat e Toyota não têm identidade de estilo única, as entradas de ar de Cronos e Yaris só remetem aos hatches da linha. O Cobalt destaca a superior a ponto de dividi-la em duas, enquanto a menor é a do Yaris, porque a principal é a inferior. O contorno tem acabamento preto no Cronos, na cor da carroceria no Virtus e cromado nos demais. City, Cobalt e Yaris estão no redesenho de meia-vida; o desenho da entrada de ar é harmônico em todos porque mudou pouco no City, cujo redesenho foi sutil, e muito nos demais, porque tiveram a dianteira refeita. A Fiat aproveitou apenas os faróis do Argo. Já o Virtus repete as peças do Polo nacional.

Estilo-4City e Cobalt têm a entrada de ar superior destacada, então é natural que a inferior assuma papel secundário no estilo. No Yaris é o contrário: a entrada inferior domina a dianteira. Seu formato trapezoidal ajuda os faróis a tornar o estilo fluido, enquanto os outros dois têm aparência robusta e assentada. A entrada do Cronos é larga, mas fina nos extremos: fica destacada e evita a sensação de excesso. Já a do Virtus tem estilo influenciado por modelos como o Arteon. A profusão de linhas horizontais e verticais polui seu visual.

Estilo-5O primeiro destaque vai para o Virtus por fugir das luzes circulares. O segundo vai para os suportes das luzes do Yaris, com formato de bumerangue. Em terceiro lugar, as soluções de Cronos e Virtus: faróis de neblina em posição elevada dão aparência nova e agradável. City e Cobalt adotaram soluções conservadoras. Os do Toyota tornam seu estilo tridimensional, em que dianteira e laterais têm ligação forte. Cronos e Virtus obtêm aparência inovadora e “saltada”, que chama atenção. Os de Honda e Chevrolet seriam esportivos há 10 anos, mas hoje não passam de triviais.

 

Cobalt
Cobalt
Cronos
Cronos
City
City

Nas laterais, o Honda se destaca pelas linhas fortes e esculpidas e o Toyota pelo contrário; o Fiat pelas sugestões de esportividade e o VW pelo contrário; os quatro pelas variadas tentativas de parecer sofisticados e o Chevrolet, infelizmente, pelo contrário

Yaris
Yaris
Virtus
Virtus

 

Estilo-1A lateral da dianteira é um indicador da proposta do carro. A cunha acentuada de City e Yaris sugere esportividade e fluidez, ao passo que as formas horizontais de Cobalt e Virtus passam sensação mais conservadora e imponente; o primeiro se inspira nos sedãs norte-americanos. Já o balanço longo de Cobalt e Yaris cria uma imagem assentada ao piso, a qual pode se confundir com pesada quando mal executada. O Cronos é moderado na inclinação da dianteira e no comprimento do capô e usa vincos para parecer esportivo. De lado, a dianteira do City é equilibrada pela traseira também curta. Já o Yaris, suave e arredondado, lembra o Corolla de duas gerações atrás.

Estilo-2Vincos permitem diferenciar os carros com facilidade. Em City e Yaris, começam na porta dianteira e vão à traseira subindo. O Cobalt usa dois vincos fortes e horizontais na parte superior, cada um sobre uma roda. Cronos e Virtus têm vincos longos com uma ascensão sutil — o do Cronos é único e divide a carroceria usando luz e sombra, enquanto o do Virtus é duplo e fino. City e Yaris passam a ideia de movimento, mas o Yaris peca pelas maçanetas “soltas” em relação aos vincos, em posição quase aleatória. Compare com as do Cronos, também prateadas, mas alinhadas ao vinco. O Cobalt repete essa falha, mas em menor intensidade.

Estilo-3Janelas são um ponto interessante no estilo de sedãs. Virtus, Yaris e City as usam com molduras finas. Isso requer processos de montagem mais sofisticados, mas traz melhor resultado visual. À exceção do Cobalt, todos trazem a peça triangular de acabamento à frente da porta dianteira: ela causa a impressão de área envidraçada além do limite das portas, de modo que parece maior e mais harmônica. O Chevrolet não só a dispensa como usa janelas de perfil baixo — o visual fica pobre, mais do que imponente, e torna a cabine claustrofóbica.

Na parte traseira, o Virtus usa vigias porque sua coluna é larga demais para ficar vazia. City e Yaris contornam isso com outra peça plástica, a qual custa menos. Cobalt e Cronos não usam nada, mas só o primeiro tem colunas estreitas. Colunas sem janelas dissimulam o comprimento da cabine e colunas largas passam sensação de robustez. A Fiat quis usar ambos os recursos para tornar o Cronos mais esportivo, mas sua coluna está no limite de largura para que isso tenha resultado agradável.

Estilo-4City e Yaris apostaram em uma transição suave: a linha do teto desce de forma contínua e sem dividir atenção com outros elementos. No City, isso é feito com menor comprimento em relação ao restante da carroceria e tampa mais alta, que chega a lembrar sedãs dos anos 90. Tudo isso o faz parecer mais compacto. No Yaris a transição ocupa mais espaço e deixa a tampa pouco abaixo das janelas. O carro parece mais comprido e um tanto volumoso, ainda mais por ter uma carroceria de relevo suave. Cobalt e Cronos usam volumes separados, com vincos horizontais para ressaltar a tampa do porta-malas. Só que o Chevrolet abusa disso almejando ar conservador, típico de sedãs maiores, enquanto o Fiat é moderado para não quebrar a aparência ágil. O Virtus destoa pelo caimento de teto mais suave de todos.

Estilo-5Vincos: City, Cronos e Virtus os usam para criar um forte jogo de luz e sombra, que quebra o excesso de área vazia sem precisar de frisos. O Yaris segue o caminho oposto — é arredondado e liso — e o Cobalt usa um par de vincos horizontais que vão da dianteira à traseira, para o ar de “carro grande”. As traseiras são claramente curtas e altas. No Virtus e no Yaris, menos: o VW para se inspirar em cupês e o Toyota pelo relevo que faz sua traseira parecer baixa. O problema do Virtus está nas proporções: o entre-eixos foi aumentado em relação ao do Polo e o balanço é grande, o que torna sua traseira mais comprida do que deveria ser.

Próxima parte