QQ, Mobi, Kwid e Up: estilo em edição concentrada

 

São carros pequenos, mas a exigência de espaço permanece. Uma solução é deixar o teto retilíneo e elevado, que prejudica o visual. Kwid e Up lidam com isso usando colunas traseiras espessas, para sensação de robustez. Em QQ e Mobi as lanternas invadem mais as laterais. O Fiat vai além e estende visualmente o vidro traseiro com acabamento plástico, de modo a dissimular a largura da coluna.

O público-alvo dos subcompactos não tem no espaço de porta-malas uma prioridade. Isso se observa nas tampas: só a do Kwid é convencional, com formato largo e de base baixa. Em QQ e Mobi ela é feita de vidro, decisão que impôs uma posição mais protegida de impactos leves, mas prejudicou o acesso da bagagem. A do Up europeu também é assim, mas o modelo brasileiro ganhou uma feita de aço. Como a mudança não agradou, ela passou a ser pintada nas versões com motor TSI e, depois da reforma para 2018, em todas.

 

 

QQ e Up usam lanternas verticais, o primeiro com formato arredondado e posição elevada e o outro com as soluções opostas. Mobi e Kwid usam forma quase quadrada e posição convencional. QQ e Mobi investem em tamanho exagerado, enquanto Kwid e Up buscam a discrição. Mobi e Up usam desenho interno rebuscado, ao passo que o Kwid obtém a aparência mais neutra. No QQ a disposição, o tamanho e até a montagem das lanternas dão aparência pobre.

Embora a aparência delicada do QQ divida opiniões, o trabalho com vincos e plástico preto preencheu uma área extensa sem ficar vazio ou carregado. Kwid e Up usam soluções mais simples, o primeiro apenas com plástico preto e o segundo com vincos. Ambos pecam pelo suporte de placa exagerado, medida típica para evitar outras de custo maior. Destaque negativo para o Mobi: chega a estranhar que um desenho tão elaborado chegue ao para-choque traseiro só com um vinco e uma abertura simples.

 

 

Aplicar desenho integrado entre portas e painel implica padrões rígidos de alinhamento de peças, o qual encarece a produção. Não surpreende, então, que estes carros usem desenhos independentes, nos quais as portas não tiram a atenção do painel. Como os revestimentos são feitos em geral de plástico rígido, vale-se de cores e texturas diferentes para quebrar a pobreza visual. O Up chama a atenção pela porção das portas com a carroceria exposta e pintada na cor externa, solução que divide opiniões.

Em Mobi e Up as formas horizontais dão mais espaço aos componentes e reforçam a sensação de espaço, porque a cabine parece mais larga. Entretanto, o Fiat peca pelo excesso de informações e o VW pela aparência simples. O painel do QQ tem elementos numerosos sem cair em excesso, mas peca pelo aspecto geral bruto. O Kwid volta a ser genérico: seu console central é quase quadrado e usa formas simples.

 

 

Renault, novamente, com a solução intermediária: a central de áudio domina seu painel central, como em todos os carros recentes, mas usa a posição convencional (em vez de isolada, como no Fiat Argo). Fiat e Volkswagen têm soluções parecidas, mas usam o celular do usuário como tela principal para cortar custos. O Chery promove uma viagem aos anos 2000: a geração atual (nem tão antiga assim, de 2013) previu sistema de áudio pequeno e não está preparada para uma central.

Em todos os casos, a ornamentação do lado direito do painel é feita mas pelas formas que por texturas e cores. O Mobi mais chama atenção pelas formas grandes e arredondadas, ao passo que o Up se aproxima de uma sensação de requinte. Em QQ e Kwid, discrição. Essa variedade de diretrizes mostra o quanto os subcompactos evoluíram.

 

 

O QQ é o único com quadro de instrumentos todo digital, que integra de modo interessante o conta-giros ao marcador de combustível. Os outros usam mostradores analógicos, salvo o do tanque no Kwid. QQ e Mobi têm tela central digital, o que dá ao conta-giros ou ao velocímetro mais espaço. Entre o Renault e o Volkswagen, o quadro do primeiro tem aparência mais limpa.

As telas de Kwid e Up têm tecnologia e executam funções que já eram comuns 10 anos atrás. No QQ chama atenção o velocímetro digital, mas a melhor impressão é causada pelo Mobi com a tela LCD de alta resolução das versões superiores, com diversas informações e grande colaboração para a aparência.

 


 

A Análise de Estilo ajuda a perceber que o segmento de subcompactos não só evoluiu muito ao longo dos últimos 20 anos, como também se permitiu diversificar. A fórmula “tradicional”, com componentes grandes e de contorno arredondado, sobrevive no Brasil apenas no Chery QQ. O Volkswagen Up dá uma interpretação tipicamente alemã a tudo isso, por meio de formas retilíneas, aparência geral mais sóbria e raras concessões ao lado emocional.

Fiat Mobi e Renault Kwid são casos interessantes: adaptaram o conceito de subcompacto ao contexto dos países emergentes, o primeiro com foco no Brasil. Isso explica a atenção redobrada com o estilo, as tentativas de dissimular o tamanho reduzido, as escolhas de tecnologia focadas em agradar o público jovem e um investimento geral em características emocionais: o modelo da Fiat tem leve inclinação à esportividade, enquanto o da Renault sugere um apelo fora de estrada. Tudo, é claro, sem perder a igualmente brasileira preocupação com o baixo custo.

Mais Análise de Estilo

 

Com sabor de aventura

Visual “aventureiro” caiu no gosto do brasileiro há quase 20 anos, mesmo quando não encontra resposta nas especificações técnicas do carro. A Renault aproveitou isso no projeto do Kwid como um todo, o que motivou o fabricante a divulgá-lo como um SUV. Fiat e Volkswagen seguiram um caminho mais conservador: dotaram Mobi e Up de caráter mais neutro, para tentar agradar a todos, e investiram nos nichos de mercado usando as versões.

Mobi Way e Cross Up tiram inspiração da receita inaugurada pela Palio Adventure em 1999. As peças externas em plástico preto estão lá, assim como a suspensão elevada (apenas no Fiat) e os acessórios de estilo com tema “aventureiro”. Contudo, os dois respeitaram a necessidade de uma interpretação moderna. O plástico preto foi limitado a detalhes, as barras de teto são menores e a oferta de equipamentos deu prioridade a conforto e segurança em vez do visual.